Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 28 de Maio de 2019 às 10h54

Especialista enfatiza prioridade na regulamentação da telemedicina

A telemedicina muda o modelo de negócio, a remuneração e toda a cadeia da saúde. 2019 é o ano da virada. Estima-se que de 20 a 25% das consultas serão feitas remotamente nos próximos 5 anos. A preocupação desse ano é resolver a questão da consulta remota, telemedicina, estabelecer um relacionamento remoto entre o médico e o paciente. Em SP já existem 3 mil médicos atuando dessa forma.


Essa é a opinião de Guilherme Hummel, coordenador cientifico do HIMSS@Hospitalar e head mentor do Health Mentor Institute, acrescentando que um dos principais desafios é quebrar o corporativismo do setor.

Em fevereiro, o Conselho Federal de Medicina (CFM) revogou a resolução 2.227/2018, que regulamenta a prática da telemedicina. Semanas antes, o mesmo conselho havia aprovado o texto, mas recebeu uma série de propostas para modificá-lo, além de ter sofrido com protestos por parte da classe médica. Com a mudança, estariam permitidos no país consultas, exames e cirurgias a distância. Os críticos questionaram a garantia de sigilo das informações médicas e os riscos quanto à qualidade do atendimento ao paciente.

A Telemedicina deve movimentar no Brasil nos próximos cinco anos entre US$ 7 bilhões e US$ 8 bilhões. Segundo Hummel, mesmo com sua adoção e regularização do serviço por parte do CFM, 20% a 25% das consultas médicas serão a distância, o que representará de 20 mil a 30 mil consultas anuais

“A média de uma consulta no país é de 7 minutos e no sistema público as pessoas podem esperar até 3 meses para ser atendidas. Existem no mundo mais de 7 bilhões de pessoas com 1,3 de patologias por pessoa. Estudos indicam que o mundo precisa de 8 milhões de médicos. E será impossível formarmos tantos médicos em um curto espaço de tempo. A telemedicina pode ajudar a resolver parte dessa demanda. A India, por exemplo, um país com enormes carências, conseguiu reduzir 20% o glaucoma com teletriagem”, ressalta.

“Temos no Brasil cerca de 6 mil hospitais e apenas 10% deles faz triagem. Ficam na mesma fila de atendimento alguém que está com gripe e alguém com AIDS. A telemedicina pode ajudar nessa triagem e direcionar o paciente”, acrescenta. ,

Segundo a Organização Mundial de Saúde, no mundo hoje há um déficit de 8 milhões de médicos. “A telemedicina pode suavizar esse déficit, pois mesmo que haja um investimento maciço na formação de médicos, é necessário um tempo longo para essa formação”, enfatiza.

Link: http://forumsaudedigital.com.br/especialista-enfatiza-prioridade-na-regulamentacao-da-telemedicina/

Veja também

Farmácia Popular atende cerca de 50 milhões de pessoas22/03/19 Benefícios do Programa Farmácia Popular envolvem a garantia de acesso à saúde por grande parte da população brasileira Segundo o diretor da MSD Assessoria, Márcio Duque, que palestrou sobre Critérios de Utilização do Sistema Antifraude no Farmácia Popular, na sala Varejo em Foco, coordenada pela Contento Comunicação, durante evento Abradilan Conexão Farma 2019, é fácil perceber o sucesso do Programa Farmácia......
Adolescentes com sobrepeso têm risco elevado de doença cardiovascular16/05/19 Adolescentes com sobrepeso apresentam o mesmo risco de doença cardiovascular que jovens obesos, mostra pesquisa da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Presidente Prudente e Marília. O estudo, apoiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do estado de São......

Voltar para Notícias