Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 10 de Outubro de 2019 às 13h31

Homens representam 1% do total de casos de câncer de mama no Brasil

Para cada 100 mulheres diagnosticadas com câncer de mama, existe um homem atingido pela doença. Isso significa que os homens representam 1% do total de casos de câncer de mama no Brasil.

A médica Fabiana Tonelotto, chefe do Serviço de Mastologia do Hospital do Câncer 3 (HC3), unidade do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA) alerta que os homens devem estar atentos a qualquer mudança ou alteração nas mamas.

Retração de pele, aparecimento de nódulos ou caroços, secreção pela aréola (mamilo), gânglios ou ínguas nas axilas são os sintomas mais comuns de câncer de mama em homens, além de vermelhidão na área do peito e coceira.

Fabiana Tonelotto revela que o tratamento para os homens é igual ao das mulheres, com radioterapia, quimioterapia e hormonioterapia. Ela explica que como a mama é pequena e atrofiada no homem, não tem tecido para que se faça uma cirurgia conservadora. E como o homem tem pouco tecido mamário, há mais facilidade de o câncer infiltrar na pele e no músculo posterior do peito, provocando metástase. ?Por isso, esse tratamento é mais radical, com mastectomia [remoção da mama]?, conta. O tumor fica grande em relação ao tamanho da mama. ?Toma uma proporção que não se pode poupar o tecido mamário?, disse a especialista.

Genética
A médica do INCA advertiu também que sempre que ocorre um caso de câncer de mama em homens, é preciso avaliar todas as mulheres da família, porque pode haver uma mutação genética de BRCA (família de genes), o que aumenta o risco de ter a doença. Em alguns casos, Fabiana disse que pode ser pedido um teste genético. ?É uma avaliação bem importante que se faça?.

Segundo Fabiana, é quase desnecessário que o paciente faça uma reconstrução da mama, porque os homens não têm mamas grandes. O que pode ser feito é a tatuagem do mamilo ou aréola.

Os casos de câncer de mama em homens não são frequentes no atendimento do INCA, porque são raros, uma vez que representam somente 1% do total de casos de câncer de mama. Pelo fato de não estar entre os tipos de câncer mais incidentes, o câncer de mama masculino não está incluído nas estimativas do INCA.

Estatísticas
De acordo com dados disponibilizados pelo Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde (Datasus), do Ministério da Saúde, houve no país 16.724 mortes por câncer de mama feminino e 203 mortes por câncer de mama masculino no Brasil, em 2017. Em 2016, foram16.069 mortes por câncer de mama feminino no país e 185 mortes por câncer de mama masculino e, em 2015, ocorreram 15.403 mortes por câncer de mama feminino no Brasil e 187 mortes por câncer de mama masculino.

Outros fatores
De acordo com dados do INCA, disponibilizados pela assessoria de imprensa do órgão do Ministério da Saúde, outros fatores de risco para o câncer de mama em homens são condições que podem aumentar o nível de estrogênio no corpo, como obesidade, alcoolismo, doença hepática, síndrome de Klinefelter (quando uma pessoa do sexo masculino apresenta um cromossomo X a mais); e radioterapia prévia para a área do tórax.

Recidiva
Hélio Pepe foi diagnosticado com câncer de mama em 2012. Operou pela primeira vez em 2013 e, como a doença voltou, precisou operar novamente, em maio do ano passado. ?Hoje, estou curado, não tenho mais nada?, disse à Agência Brasil. Trabalhador autônomo, com 61 anos de idade, Hélio revelou que teve que recorrer à Justiça Federal para receber benefício do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), já que está afastado do trabalho. ?Mesmo com toda a documentação do INCA, foi uma luta conseguir alguma coisa no INSS. Mas as coisas estão caminhando?, assegurou. Indagado se pensava em fazer uma tatuagem do mamilo, foi enfático ao responder: ?Não vejo necessidade. O importante é a saúde?.

Casado e pai de dois filhos, Hélio viu um dos rapazes, de 31 anos, operar pela quarta vez de lipossarcoma (tumor maligno de tecido adiposo) no retroperitônio (na barriga), no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho (HUCFF), da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A última cirurgia foi na semana passada, no intestino.

Por sugestão de geneticista do INCA, Hélio Pepe se submeteu a exame para detectar se pode haver relação genética entre o câncer de mama que ele teve com a doença do filho. O resultado é esperado para o final deste ano.

Edição: Liliane Farias
Fonte: Agência Brasil

Veja também

Enxaqueca: primeiro tratamento específico contra ela chega ao Brasil26/03/19 O remédio promete reduzir o número e a intensidade das crises de dor de cabeça ? e trazer menos reações adversas que os tratamentos atuais. Embora atinja uma a cada sete pessoas, a enxaqueca não tinha no Brasil um tratamento específico ? as drogas utilizadas para controlar as crises são voltadas a outras doenças. Mas isso mudou com a aprovação do erenumabe (nome comercial: Pasurta), o primeiro remédio feito......
Remédios podem ter imposto zero com reforma tributária05/08/19 O ex-deputado federal Luiz Carlos Hauly, afirma que até o fim do ano, os medicamentos deverão estar isentos de tributação ou com uma alíquota próxima a 3% Até o fim do ano, os medicamentos deverão ter imposto zero, ou seja, estar isentos de tributação ou......
Anvisa realiza revisão da norma de rótulos de medicamentos28/08/19 O objetivo da revisão da norma de rótulos de medicamentos é estabelecer novos critérios para a rotulagem de medicamentos e produtos biológicos A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) quer selecionar especialistas voluntários para participar do......

Voltar para Notícias