Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 20 de Março de 2019 às 08h31

Investimento em Atenção Primária à Saúde pode reduzir internações e gerar economia de até R$ 400 milhões


A Atenção Primária à Saúde (APS), na qual o indivíduo (e não a doença) é o foco, pode contribuir para redução de cerca de 5% do total de internações, segundo levantamento da UNIDAS (União Nacional das Instituições de Autogestão em Saúde). Pelo menos 5,2% de todas as internações ocorridas no sistema de saúde foram classificadas como evitáveis (Pesquisa UNIDAS ? 2018). Em número absolutos, esse total é de mais de 20 mil internações que representam o montante financeiro de quase R$ 400 milhões (ano).

Na prática, a APS é um acompanhamento do paciente de maneira periódica, estimulando atividades e ações que previnam doenças, contribuindo para evitar exames e internações desnecessárias. As principais causas de internações hospitalares potencialmente evitáveis são: gastroenterite infecciosas e complicações (17,2%), infeção no rim e trato urinário (13%) e doenças cerebrovasculares (12,7%).

Investir em APS é um benefício para o paciente, em especial os mais idosos, que sofrem mais com internações e doenças relativas à idade. A taxa de internação da última faixa, considerada de 59 anos ou mais, é atualmente de 20%, ou seja, seriam 4 mil internações a menos no sistema. O total de exames também seria impactado. Os beneficiários com 59 anos ou mais costumam fazer em média 37,7 exames por ano.

Segundo o vice-presidente da UNIDAS e responsável pela Pesquisa UNIDAS, João Paulo dos Reis Neto, investir em uma mudança do modelo atual de assistência é essencial para fortalecer a APS. ?Todos ganham com esse fortalecimento, planos que reduzem os gastos e beneficiários que têm uma vida mais saudável com acompanhamento de qualidade e direcionado?.

Sobre a Pesquisa UNIDAS

Desde 2000, a UNIDAS promove, anualmente, a realização de uma pesquisa entre entidades filiadas e não filiadas, com o objetivo de conhecer o perfil das instituições de autogestão em saúde. Esta publicação consagrou-se como um importante referencial para identificar as tendências do mercado e auxiliar a tomada de decisões, sendo utilizada por todos os componentes do segmento privado da saúde, inclusive pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). A pesquisa traz dados desde inflação médica até ranking das causas mais comuns em internações. Este ano, ela contou com 44 filiadas participantes, contabilizando quase 4 milhões de beneficiários. Os dados foram coletados em 2016 e primeiro semestre de 2017.

Veja também

Biossimilares: entenda sobre esses medicamentos19/07/19 Medicamentos biossimilares, diferentes dos genéricos, são uma versão de um medicamento biológico existente, produzido por um processo complexo envolvendo organismos vivos Os medicamentos biossimilares são uma versão de um medicamento biológico existente. São produzidos por um processo complexo envolvendo organismos vivos. Um biossimilar só pode ser produzido quando a patente do medicamento de referência......
Justiça garante atuação do farmacêutico na citologia clínica15/04/19 A partir de agora, laudos realizados por esses profissionais devem ser aceitados O Conselho Federal de Medicina (CFM) deve se abster de impor restrição à atuação do farmacêutico na citologia clínica. Essa é a decisão do Tribunal Regional Federal da 1ª......
Mitos e verdades sobre osteoporose18/04/19 Doença já acomete 10 milhões de brasileiros A osteoporose é uma patologia que acelera a perda de massa óssea, deixando os ossos mais frágeis e porosos. Ela costuma surgir na terceira idade e provoca a......

Voltar para Notícias