Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 12 de Junho de 2019 às 08h06

Longevidade das empresas de saúde

O processo de fusão de aquisição no setor de saúde pode ajudar as empresas a ganharem mais musculatura para enfrentar as turbulências no mercado de assistência médica privada. Desde 2015, mais de 3 milhões de pessoas perderam seus planos de saúde, de acordo com dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Isso é resultado de uma retração de cerca de 1,5 milhão de postos de trabalho.

“O plano de saúde é um produto altamente desejável, mas é sensível às variações de emprego e desemprego”, diz Marcos Novais, economista-chefe da Associação Brasileira de Planos de Saúde (Abramge).

A explicação é simples. Como a maior parte dos beneficiários tem seu convênio vinculado à empresa em que trabalha, quando as demissões crescem, os planos de saúde naturalmente perdem clientes. Segundo a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), os contratos coletivos empresariais correspondem a 67% do total de planos comercializados. A boa notícia é que, depois de três anos de queda, o número de beneficiários parou de cair no fim do ano passado.

Outra luz para as empresas do setor é a recente alteração da legislação, em vigor desde o início deste mês. As novas regras valem para portabilidade de planos de saúde, que permitem aos beneficiários de contratos coletivos empresariais a possibilidade de troca de operadora sem a necessidade de cumprir novo prazo de carência para utilizar os serviços médicos.

A determinação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) está na Resolução Normativa 438, que foi publicada em dezembro pela agência reguladora. Outra mudança é a extinção da “janela” para a troca de plano, ou seja, um prazo determinado pela operadora para fazer a mudança.

Migração

A ANS também retirou a necessidade de a cobertura entre os planos antigo e novo ser compatível para fazer a migração, abrindo a possibilidade para a contratação de coberturas mais amplas, mas mantendo a faixa de preço na maioria dos casos. Com isso, o consumidor só precisa cumprir a carência dos serviços a mais que o novo plano oferecer.

O guia de compatibilidade de preços está disponível no site da agência. Para o diretor de normas e habilitação dos produtos da ANS, Rogério Scarabel, a concessão desse benefício para consumidores de planos empresariais era uma demanda importante na regulação do setor, já que a modalidade representa quase 70% do mercado.

Fonte: Correio Braziliense

Veja também

STF limita acesso a medicamento sem registro na Anvisa23/05/19 O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na última quarta-feira, 22 de maio, que o Estado não pode ser obrigado a fornecer medicamento experimental ou sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), salvo em casos excepcionais. A decisão foi tomada, por maioria de votos, no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 657718, com repercussão geral reconhecida, de relatoria do ministro......
Anvisa aprova primeiro medicamento específico para tratamento preventivo da enxaqueca29/03/19 A Anvisa, órgão de regulação de saúde do Brasil, aprovou em 25/03/2019 o primeiro tratamento preventivo específico para enxaqueca no país4. Trata-se do medicamento biológico erenumabe, comercialmente registrado como PasurtaÔ. Ele será comercializado pela......
Semana da Vacinação nas Américas tem como meta proteger 70 milhões de pessoas23/04/19 A Semana de Vacinação nas Américas, realizada pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), tem como lema este ano ?Proteja sua comunidade. Faça sua parte. #VacineSe?. A meta é imunizar cerca de 70 milhões de pessoas contra doenças evitáveis. A semana......

Voltar para Notícias