Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 08 de Abril de 2019 às 10h32

No 1º bimestre do ano, 54% da indústria apresentou queda

O primeiro bimestre deste ano foi de retrocesso para mais da metade (54%) dos segmentos industriais do País. Mas a situação é ainda pior para setores como o de calçados e o têxtil, que acumulam perdas pelo menos desde outubro. Segundo representantes desses segmentos, a explicação para a queda na produção é simples: não há demanda.

Até agora, no entanto, a trajetória mais preocupante é a dos fabricantes de bens intermediários, de acordo com o economista Rafael Cagnin, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). Isso porque esse segmento já está em recessão técnica, quando se considera os resultados desde setembro do ano passado: são dois trimestres consecutivos de queda.

Outro motivo de apreensão, segundo o economista, é o fato de o setor ser fornecedor de insumos para outros ramos da indústria. ?Os bens intermediários são o coração da indústria. Quando não vai bem é porque o panorama geral do setor está fraco?, diz.

Cagnin afirma que a indústria brasileira está em um ciclo negativo decorrente, em parte, do alto índice de desemprego e da precarização do mercado de trabalho. Como grande parcela da população está sem uma fonte de renda fixa, acaba sem acesso ao crédito e reduzindo suas compras.

Levando-se em conta apenas o primeiro bimestre, a indústria farmacêutica foi a que apresentou o pior desempenho, com um recuo de 12,3% na comparação com o mesmo período de 2018. Para o presidente executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), Nelson Mussolini, uma das causas dessa queda é que a economia costuma perder força em início de mandato presidencial, até que o governo consiga se organizar.

Outro fator que ajuda a explicar o recuo na produção farmacêutica, diz Mussolini, é que o aumento dos preços dos medicamentos é concedido em abril, o que faz com que as empresas desacelerem nos primeiros meses do ano para aguardar o reajuste. Enquanto em 2018, a alta permitida pelo governo foi de 2,5%, em 2019 será de 4,3% ? daí o impacto maior.

Na indústria têxtil, que também atravessa um período de dificuldades, nem as exportações têm salvado ? já que grande parte da produção era destinada à Argentina, que está em recessão ?, segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Pimentel. O setor registrou um retrocesso de 1,8% no primeiro bimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado. ?A realidade é que a economia não está andando na velocidade necessária?, afirma o executivo.

No começo do ano, a Abit estimava que o segmento cresceria 3% este ano, acompanhando a evolução do Produto Interno Bruto (PIB). Agora, com as quedas nas projeções do PIB ? no boletim Focus, do Banco Central, a projeção para o crescimento da economia, na semana passada, era de 1,98% ?, a associação também reduziu seu número para 2%.

Fonte: O Estado de S. Paulo
Link: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/04/08/no-1o-bimestre-do-ano-54-da-industria-apresentou-queda/

Veja também

Startups promovem mudanças no setor da saúde02/09/19 As startups vem modificando diariamente o setor da saúde. Não fique de fora, acompanhe essas modificações no setor e outras novidades de tecnologia no Summit Inovação em Saúde Uma ideia inovadora, pouco tempo de vida e potencial de crescimento em escala são alguns dos principais ingredientes necessários para criar uma startup. Essas empresas usam a inovação tecnológica e modelos de negócios inovadores como......
Obesidade aumenta risco de câncer no pâncreas, segundo pesquisa03/04/19 Estudo norte-americano é o primeiro a mostrar uma associação sólida entre acúmulo de gordura corporal e mortalidade por um tipo agressivo de tumor Aumentou a lista dos tipos de câncer associados à obesidade. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS),......
Antibióticos estão entre os medicamentos mais usados pelos brasileiros07/05/19 Segundo pesquisa do CFF, classe só perde para os analgésicos e antitérmicos Uma pesquisa realizada pelo Conselho Federal de Farmácia (CFF), por meio do Instituto Datafolha, identificou os medicamentos mais utilizados pelos brasileiros nos últimos seis......

Voltar para Notícias