Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 22 de Maio de 2019 às 08h00

O app de quem não tem plano

Pelos cálculos do Minis-tério da Saúde, uma consulta médica pelo SUS pode demorar mais de 12 meses em várias regiões do País. Ao descobrir isso, o empresário Felipe Burattini decidiu criar uma plataforma com o objetivo desburocratizar a saúde. Foi aí que nasceu o Dandelin, aplicativo que promove agendamento de consultas com base em economia compartilhada, socializando os custos entre todos os membros de sua comunidade. A mensalidade nunca ultrapassa o valor de R$ 100 por usuário e não há limite para atendimentos médicos. ?Percebemos a dificuldade das pessoas que não têm condições de ter planos de saúde possuem em relação ao SUS. A Dandelin veio para auxiliar essa grande parcela da população. Já contamos com 2.400 usuários e mais de 600 médicos cadastrados?, diz Burattini.

Fonte: Isto é Dinheiro
Link: https://www.istoedinheiro.com.br/o-app-de-quem-nao-tem-plano/

Veja também

Uso consciente de antibióticos: entenda benefícios e riscos19/06/19 Nem toda infecção precisa deste tipo de medicamento Você sabia que nem toda infecção precisa de antibióticos? No Brasil, vivemos a ?cultura de antibióticos?, na qual pacientes esperam receber o medicamento e médicos banalizam sua prescrição. No entanto, febres, resfriados e gripes, por exemplo, não indicam necessariamente o seu uso. ?O organismo carrega trilhões de bactérias e, ao longo da vida, teremos......
Enxaqueca: primeiro tratamento específico contra ela chega ao Brasil26/03/19 O remédio promete reduzir o número e a intensidade das crises de dor de cabeça ? e trazer menos reações adversas que os tratamentos atuais. Embora atinja uma a cada sete pessoas, a enxaqueca não tinha no Brasil um tratamento específico ? as drogas......
No 1º bimestre do ano, 54% da indústria apresentou queda08/04/19 O primeiro bimestre deste ano foi de retrocesso para mais da metade (54%) dos segmentos industriais do País. Mas a situação é ainda pior para setores como o de calçados e o têxtil, que acumulam perdas pelo menos desde outubro. Segundo representantes desses......

Voltar para Notícias