Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 18 de Março de 2019 às 13h07

Remédios podem subir até 4,46%

O preço dos medicamentos pode ter aumento Ide até 4,46% no fim deste mês, de acordo com estimativa realizada pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma). O reajuste é previsto, todos os anos, para 31 de março. Com a proximidade da data, as farmácias já começaram a notificar os clientes sobre os possíveis aumentos.
0 reajuste que será anunciado é o máximo que as empresas podem aplicar aos seus produtos. Isso significa que algumas farmácias podem ter aumentos diferentes para a mesma mercadoria ou até mesmo não fazer nenhuma alteração no valor. A correção é definida todos os anos pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), conforme estabelecido na Lei n-10.742/2003. Normalmente, o reajuste é baseado no índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) e, no ano passado, girou em torno de 2%.
Segundo a gerente de uma farmácia localizada no Sudoeste, a recomendação aos clientes é que comprem mais unidades de remédios de uso contínuo, com exceção dos que exigem prescrição médica e por isso não podem ser comprados em grande quantidade. Além disso, ela lembrou que, todos os anos, o reajuste provoca reclamações dos clientes.
Para a diarista jacinta dos Santos, de 70 anos, a notícia do possível aumento é péssima. “Eu me sinto lesada. Posso passar até fome”, explicou.
Jacinta recebe hoje um salário mínimo por mês, ou R$ 998. Como ela tem problemas no nervo ciático e hérnia de disco, os remédios são necessários todos os meses. “Eu faço empréstimos para comprar remédios”, reclamou. Segundo a diarista, no mês passado, a medicação recomendada chegou a custar R$ 1 mil.
0 servidor público Eugênio Sales Martinez, de 43 anos, também pode ser afetado pelos preços. Ele sofre de transtorno de bipolaridade e precisa utilizar medicamentos controlados. Segundo Martinez, uma ida à farmácia para comprar todos os remédios prescritos pode custar até R$ 700. “Eu não posso ficar sem tomar os medicamentos”, destacou.
Segundo o presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Distrito Federal (Sincofarma -DF), Francisco Messias Vasconcelos, todo aumento que vem para o setor varejista é visto negativamente pelo consumidor e pelo vendedor do produto. “O cliente não gosta e diminui o consumo. Isso é ruim tanto para o consumidor quanto para as empresas”, explicou.
Segundo o professor de economia da Universidade de Brasília Newton Marques, setores como o farmacêutico costumam repassar o reajuste autorizado para o preço dos produtos.
“Esse setor é regulado e autossustentável. As pessoas, em geral, necessitam de remédios e não deixam de comprá-los”, explicou. Marques, no entanto, avaliou que o aumento não deve vir forte neste ano. “A economia está desacelerada, sem sobressaltos. Com isso, não devemos ter grandes surpresas”, analisou. Outro fator apontado pelo economista que justificaria um reajuste menor neste ano é que as matérias-primas dos medicamentos não costumam variar muito de preço.

Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/economia/2019/03/16/internas_economia,780657/remedios-podem-subir-ate-4-46-estima-setor-farmaceutico.shtml

Veja também

Anvisa debate liberação do cultivo de Cannabis para fins medicinais11/06/19 Se parecer for aprovado, proposta será levada à consulta pública A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realiza, nesta terça-feira (11), a partir das 10h, a 14ª reunião pública de 2019 e pauta inclui duas propostas de consultas públicas relacionadas à regulamentação da Cannabis spp. A primeira delas é sobre os requisitos técnicos e administrativos para o cultivo da planta,......
Goiás terá quase R$ 1 bilhão em investimentos industriais26/03/19 O programa Produzir, vinculado à Secretaria de Indústria, Comércio e Serviços, aprovou, em reunião ordinária, novos projetos que preveem investimentos industriais no Estado. A segunda reunião ordinária, de 2019, do Conselho Deliberativo do Programa......
Brasil consome 56,6 milhões de caixas de calmantes e soníferos08/07/19 Em 2018, vendeu-se o equivalente a 1,4 bilhão de comprimidos de apenas oito princípios ativos Os brasileiros compraram, em 2018, mais de 56,6 milhões de caixas de medicamentos calmantes e soníferos. Sendo assim, mais de 6 mil caixas vendidas por hora ou,......

Voltar para Notícias