Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 23 de Maio de 2019 às 15h37

STF limita acesso a medicamento sem registro na Anvisa

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na última quarta-feira, 22 de maio, que o Estado não pode ser obrigado a fornecer medicamento experimental ou sem registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), salvo em casos excepcionais. A decisão foi tomada, por maioria de votos, no julgamento do Recurso Extraordinário (RE) 657718, com repercussão geral reconhecida, de relatoria do ministro Marco Aurélio.

Pela maioria dos votos, foi decido que, como regra geral, fica proibido o fornecimento de medicamento sem registro via decisão judicial. Entretanto, há algumas exceções, na qual o Estado somente pode ser obrigado a fornecer o remédio caso a Anvisa ultrapasse o prazo de 365 dias para avaliar o pedido . Nos casos de doenças raras, esse período é de 120 dias. Para isso é preciso preencher três requisitos:

Existência de solicitação de registro do medicamento no Brasil, salvo no caso de remédios feitos exclusivamente para doenças raras e ultrarraras
Existência de registro da medicação em renomadas agências de regulação no exterior
Inexistência de substituto terapêutico com registro no Brasil

Os ministros também decidiram que o Estado não pode ser obrigado a fornecer medicamentos experimentais e ações que demandem o fornecimento de medicamentos sem registro na Anvisa deverão acionar a Justiça Federal contra a União, e não contra Estados e municípios.

O STF começou a julgar o caso 2016. A decisão do plenário tem repercussão geral e deve dar base a decisões tomadas por diversas instâncias judiciais em todo o País.

Fonte: Redação Panorama Farmacêutico
Link: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/05/23/stf-limita-acesso-a-medicamento-sem-registro-na-anvisa/

Veja também

Estudo internacional aponta novos benefícios da VITAMINA D13/03/19 Nutriente também pode ser usado como protetor entre crianças asmáticas obesas Um novo estudo descobriu que a vitamina D pode ser protetora entre crianças asmáticas obesas que vivem em ambientes urbanos com alta poluição do ar em ambientes fechados. A pesquisa, da Escola de Medicina da John Hopkins University e financiada pelo Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental (NIEHS), foi publicada no Journal of......
Sutilezas letais: os sintomas menos conhecidos do infarto14/03/19 Dor e aperto no peito que irradiam para o braço esquerdo e pescoço são os sintomas mais comuns e conhecidos de um infarto do miocárdio, popularmente chamado de ataque do coração. Quando esses sinais se manifestam, quase todo mundo sabe que é preciso buscar......
OMS alerta para o risco do consumo de gordura trans23/05/19 Em um informe divulgado nesta quarta-feira (22), em Genebra, na Suíça, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que ao menos 5 bilhões de pessoas em todo o mundo convivem com os riscos de desenvolver doenças associadas ao uso das gorduras trans......

Voltar para Notícias