Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 11 de Julho de 2019 às 08h14

Economia em medicamentos: pesquisa aponta busca por opções mais baratas

Os clientes das farmácias estão cada vez mais aceitando os medicamentos genéricos. Esse é o resultado de uma pesquisa recente realizada pelo IFEPEC (Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa) em parceria com a Unicamp com 4.000 consumidores de farmácias em todo o país,

Segundo as respostas dos consumidores, 63,45% dos entrevistados compraram pelo menos uma unidade de genérico. Porém, os de marca continuam na preferência dos clientes, sendo que 63,55% compraram pelo menos uma unidade de marca.

Nos casos em que as pessoas adquiriram apenas um tipo de medicamento, o produto de marca volta a se destacar com 27,20% comprando apenas esse tipo de produto. Já 23,53% optaram apenas por genéricos e 4,60% por não medicamentos.

?Observa-se nesse ponto um aspecto interessante desse mercado, que é o crescimento dos genéricos, porém ainda se tem uma força contínua dos medicamentos de marca. Também se observa que a aquisição de não medicamentos normalmente vem associada a aquisição de medicamentos?, explica Edison Tamascia, presidente da Febrafar, entidade que solicitou a pesquisa.

Motivação é preço
Dentre os motivos do destaque desses medicamentos, com certeza está o preço. Na mesma pesquisa os consumidores ao serem questionados sobre quais os critérios de escolha de uma farmácia, ficou bem claro que o bolso e a comodidade são fatores primordiais na decisão, deixando vários outros de lado.

Dos entrevistados: 64,95% afirmaram acreditar que as farmácias onde efetuaram suas compras praticam preços mais baixos que os concorrentes e 24,50% apontaram a localização como fator importante para a escolha. Além desses fatores, foram considerados também: o estoque (6,25%), a facilidade de estacionar (1,58%), possuir atendimento da Farmácia Popular (1,35%) e o bom atendimento (0,88%).

Sobre a pesquisa

A Pesquisa de Comportamento do Cliente na Farmácia 2019 foi coordenada pelo IFEPEC (Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Corporativa) em parceria com o NEIT ? Núcleo de Economia Industrial e da Tecnologia, do Instituto de Economia da Unicamp, entrevistou 4 mil clientes.

Estes foram selecionados de acordo com os agrupamentos do mercado farmacêutico, isto é: Abrafarma, Outras Redes Corporativas, Febrafar, Outros Agrupamentos e Farmácias do segmento Independentes. Os clientes foram entrevistados no momento que saíam das farmácias nas quais efetuaram a compra.

Fonte: Blog do Wagner Gil

Veja também

Falta de higiene em centros de saúde afeta 2 bilhões de pessoas03/04/19 Sete mil bebês morreram, em 2017, pela inadequação no parto Uma em cada quatro unidades de saúde no mundo, considerando sobretudo os países em desenvolvimento, tem problemas graves de falta de serviços básicos de água e higiene, causando impacto em mais de 2 bilhões de pessoas. Nesses locais não há instalações básicas para higiene das mãos e separação correta e segura de eliminação de resíduos. Os dados estão......
Ministério da Saúde faz campanha publicitária de alerta sobre tuberculose25/03/19 O público-alvo são homens de 25 a 40 anos, população mais afetada pela doença. O tratamento precoce e sem interrupção é essencial para a cura da tuberculose Para marcar o Dia Mundial de Combate à Tuberculose e ampliar o acesso à informação, o Ministério da......
Anvisa debate liberação do cultivo de Cannabis para fins medicinais11/06/19 Se parecer for aprovado, proposta será levada à consulta pública A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) realiza, nesta terça-feira (11), a partir das 10h, a 14ª reunião pública de 2019 e pauta inclui duas propostas de......

Voltar para Notícias