Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 08 de Abril de 2019 às 10h32

No 1º bimestre do ano, 54% da indústria apresentou queda

O primeiro bimestre deste ano foi de retrocesso para mais da metade (54%) dos segmentos industriais do País. Mas a situação é ainda pior para setores como o de calçados e o têxtil, que acumulam perdas pelo menos desde outubro. Segundo representantes desses segmentos, a explicação para a queda na produção é simples: não há demanda.

Até agora, no entanto, a trajetória mais preocupante é a dos fabricantes de bens intermediários, de acordo com o economista Rafael Cagnin, do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi). Isso porque esse segmento já está em recessão técnica, quando se considera os resultados desde setembro do ano passado: são dois trimestres consecutivos de queda.

Outro motivo de apreensão, segundo o economista, é o fato de o setor ser fornecedor de insumos para outros ramos da indústria. ?Os bens intermediários são o coração da indústria. Quando não vai bem é porque o panorama geral do setor está fraco?, diz.

Cagnin afirma que a indústria brasileira está em um ciclo negativo decorrente, em parte, do alto índice de desemprego e da precarização do mercado de trabalho. Como grande parcela da população está sem uma fonte de renda fixa, acaba sem acesso ao crédito e reduzindo suas compras.

Levando-se em conta apenas o primeiro bimestre, a indústria farmacêutica foi a que apresentou o pior desempenho, com um recuo de 12,3% na comparação com o mesmo período de 2018. Para o presidente executivo do Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos (Sindusfarma), Nelson Mussolini, uma das causas dessa queda é que a economia costuma perder força em início de mandato presidencial, até que o governo consiga se organizar.

Outro fator que ajuda a explicar o recuo na produção farmacêutica, diz Mussolini, é que o aumento dos preços dos medicamentos é concedido em abril, o que faz com que as empresas desacelerem nos primeiros meses do ano para aguardar o reajuste. Enquanto em 2018, a alta permitida pelo governo foi de 2,5%, em 2019 será de 4,3% ? daí o impacto maior.

Na indústria têxtil, que também atravessa um período de dificuldades, nem as exportações têm salvado ? já que grande parte da produção era destinada à Argentina, que está em recessão ?, segundo o presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Fernando Pimentel. O setor registrou um retrocesso de 1,8% no primeiro bimestre, na comparação com o mesmo período do ano passado. ?A realidade é que a economia não está andando na velocidade necessária?, afirma o executivo.

No começo do ano, a Abit estimava que o segmento cresceria 3% este ano, acompanhando a evolução do Produto Interno Bruto (PIB). Agora, com as quedas nas projeções do PIB ? no boletim Focus, do Banco Central, a projeção para o crescimento da economia, na semana passada, era de 1,98% ?, a associação também reduziu seu número para 2%.

Fonte: O Estado de S. Paulo
Link: https://panoramafarmaceutico.com.br/2019/04/08/no-1o-bimestre-do-ano-54-da-industria-apresentou-queda/

Veja também

Anvisa reduz burocracia com novas resoluções15/04/19 Menos burocracia e mais facilidade nos processos de registro de medicamentos. Essa premissa do trabalho da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) vem ganhando ainda mais ênfase na gestão da nova diretoria colegiada. Em entrevista exclusiva, Daniela Marreco Cerqueira, que comanda a gerência de produtos biológicos, destacou algumas das mais recentes deliberações que vão ao encontro dessa......
OMS: crianças devem ter tempo em frente a telas limitado a 1 hora25/04/19 A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou, nesta quarta-feira (24), um estudo que diz que crianças de até 4 anos devem passar, no máximo, uma hora em frente a telas de forma sedentária, como assistir TV ou vídeos ou jogar no computador. Para quem tem até......
Um remédio à espera de virar lei05/04/19 Desde 2015, quando passou a permitir a importação de produtos à base de cannabis — em especial, o canabidiol, um dos compostos da planta, popular por seus efeitos terapêuticos —, a Anvisa observa uma escalada de tais pedidos. Se naquele primeiro ano foram 75......

Voltar para Notícias