Quero ser cliente
Central de Vendas 0800 707 4774 ou 54 3544 1800
Postado em 13 de Junho de 2019 às 09h25

Prescrição médica digital e farmácias: esta relação pode dar certo?

A realidade, o dia a dia, o perfil das farmácias e drogarias no Brasil e também de seus clientes vêm mudando muito nos últimos anos.
Com uma base atualizada em tempo real com referências de milhares de medicamentos, uma ferramenta tecnológica traz mais segurança para que o médico passe a prestar assistência. Ela mostra a posologia, possíveis interações medicamentosas, alertas de alergias, além de informações para o paciente sobre o medicamento e as formas corretas de administração, que podem ser enviadas por SMS. Isso, aliás, é um ponto essencial no quesito saúde, pois 38% dos erros ocorrem durante a administração do medicamento.
O fato dos médicos e instituições de saúde usarem a plataforma de prescrição digital também afeta de maneira muito positiva o dia a dia das farmácias. Isto porque evita a venda de medicamento incorreto para o paciente, pois a grafia pouco legível - a famosa letra de médico - é um desafio constante para quem está do outro lado do balcão.
Se o farmacêutico não entende a dosagem correta, o peso do paciente ou até mesmo o nome do medicamento, pode acabarfazendo escolhas erradas. De acordo com a KLAS, empresa de pesquisas e informações voltadas à área da saúde e tecnologia, 68% dos erros na terapia medicamentosa acontecem por incompreensão da letra na prescrição.
A farmácia não só vai eliminar os problemas de identificação e de rasuras com a escrita manual, como também vai aumentar a segurança da assistência ao paciente,
oferecer menor risco de confusão com medicamentos de nomes parecidos, integrar-se mais facilmente a sistemas de registros médicos e de suporte à decisão, será capaz de evitar erros de especificação, como os zeros complementares, terá condições para fazer uma análise imediata de dados e muito mais.
Um levantamento realizado na base de usuários da plataforma de prescrição digital da Memed mostrou que os farmacêuticos tiveram uma economia de, em média, 54 minutos por dia como resultado da distribuição mais rápida com os serviços de prescrição eletrônica.
Houve ainda uma redução de tempo de 43 minutos em um dia por realizar menos viagens para coletar formulários de prescrição de papel, por exemplo. Os pacientes também foram positivamente impactados: para 72% deles, os medicamentos estavam "prontos e esperando por eles quando chegaram à farmácia", com uma média de coleta de prescrição por volta de 20 minutos mais rápida do que anteriormente. Isso é agilidade e eficiência.
A adesão de uma plataforma de prescrição médica inteligente economiza não só tempo como também dinheiro às farmácias.
É fato que a drogaria, fora suas inúmeras outras atividades que vem agregando, tem assumido cada vez mais um papel de protagonista no cuidado do paciente. E com uma quantidade menor de prescrição médica errada, ilegível ou incompleta, além de prestar melhor assistência, consegue reduzir custos, vender mais, lucrar mais. É um cenário em que todos ganham.

Link: http://www.abradilan.com.br/#/noticia/8261

Veja também

Projeto de Lei sobre MIPs em supermercados é arquivado25/03/19 Mais do que uma vitória para o mercado farmacêutico, uma conquista para a saúde da população. Após um ano de tramitação, a Câmara dos Deputados decidiu arquivar o Projeto de Lei nº 9482/2018. De autoria do parlamentar Ronaldo Martins (PRB-CE), a proposta autorizava a venda de medicamentos isentos de prescrição em supermercados e estabelecimentos similares. A decisão ganhou força depois da audiência pública......
Anvisa revê normas de boas práticas de fabricação17/05/19 Novas regras sobre o tema entrarão em consulta pública nos próximos dias. Além de equiparar as normas brasileiras a padrões internacionais, medida deve favorecer o comércio de medicamentos nacionais no mercado mundial. A Anvisa colocará em consulta pública......
Remédios podem passar a ter venda fracionada obrigatória08/04/19 A venda fracionada de remédios pode se tornar obrigatória. O projeto que trata do assunto (PLS 98/2017) está na pauta da Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC), que tem reunião marcada para a próxima......

Voltar para Notícias